Veja o caça sueco Gripen NG que vai equipar a Força Aérea Brasileira

Brasil, Europa

Depois de anos de adiamento e especulações sobre a concorrência, que também era disputada pela francesa Dassault e a norte-americana Boeing, os caças suecos Gripen NG substituirão os Mirage 2000

O caça tem avançado sistema de sensores e fusão de dados. A aeronave foi projetada para controle aéreo, defesa aérea, reconhecimento aéreo, ataques ar-solo e ar-mar

  • qui, 19/12/2013 - 15:45

Brasília - O governo brasileiro anunciou nesta quarta-feira que a empresa sueca Saab será a fornecedora dos 36 novos caças que renovarão a frota da Força Aérea Brasileira (FAB), em um investimento estimado em 4,5 bilhões de dólares.

Depois de anos de adiamento e especulações sobre a concorrência, que também era disputada pela francesa Dassault e a norte-americana Boeing, os caças suecos Gripen NG substituirão os Mirage 2000.

No anúncio feito nesta quarta-feira, o ministro da Defesa, Celso Amorim, disse que a escolha do caça da Saab levou em conta performance, transferência efetiva de tecnologia e custos.

O contrato ainda precisa ser negociado.

Veja mais detalhes sobre o negócio:

Aeronave

O Gripen NG foi apontado como o mais barato dos três concorrentes. Segundo informações no site da Saab, o Gripen NG, na configuração de Patrulha Aérea de Combate, alcança um raio de combate de 1.300 quilômetros e tem um alcance máximo de 4.000 quilômetros.

O caça tem avançado sistema de sensores e fusão de dados. A aeronave foi projetada para controle aéreo, defesa aérea, reconhecimento aéreo, ataques ar-solo e ar-mar.

Valor do negócio

O Brasil prevê investir 4,5 bilhões de dólares para a compra dos caças, com cronograma de desembolso até 2023. A FAB prevê receber os primeiros caças 48 meses após a assinatura do contrato, que deve ocorrer em dezembro de 2014 e cerca de 12 caças por ano após o início das entregas, segundo o Ministério da Defesa.

Tranferência de tecnologia

Transferir a tecnologia era um dos itens que pesaram na decisão. A Embraer será a principal parceira da empresa sueca no Brasil para a transferência de tecnologia.

Outros concorrentes

Também eram finalistas o caça Rafale, da francesa Dassault, e o F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing.

Programa para nova frota

O programa brasileiro para renovar a frota da FAB, batizado de F-X, começou em 2001 com a escolha de cinco modelos de aeronaves, mas foi suspenso pelo governo federal em 2003, primeiro ano do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 2007, o Estado-Maior da Aeronáutica reiniciou estudos sobre necessidades e características de um novo avião de caça multiemprego.

Em maio de 2008, a FAB lançou o programa FX-2, chegando ao final daquele ano com três aeronaves finalistas: Rafale, F-18 Super Hornet e Gripen NG.

As empresas finalistas enviaram as propostas para o governo brasileiro em 2009 e no ano seguinte o Comando da Aeronáutica enviou ao Ministério da Defesa o relatório final do projeto FX-2.

Com apoio da presidente Dilma Rousseff, Amorim anunciou a decisão do governo de comprar o caça Gripen NG. As novas aeronaves substituirão a atual frota da FAB, que está obsoleta.

Segundo a FAB, da frota atual, os Mirage 2000-C têm sua desativação prevista para 2013, os F-5EM deixarão de operar a partir de 2025, enquanto que o A-1M deverá ser desativado a partir de 2023.

autor

Reuters

Comentários

Capa N° 438