Análise e Opinião

Crescimento surpresa da economia colombiana

Julio César Alonso

Julio César Alonso é diretor do Centro de Investigações em Economia e Finanças da Universidade Icesi, Cienfi (Colômbia jcalonso@icesi.edu.co - www.juliocalonso.blogspot.com).

  • dom, 06/10/2013 - 19:39

Os últimos dados do crescimento do PIB é algo inesperado. Um crescimento de 4,2% do PIB do segundo semestre comparado ao mesmo período do ano anterior parece um resultado muito bom para o que se esperava. Este resultado só é superado na região pelo crescimento do Panamá (7,6%), Uruguai (5,6%) e Peru (5,6%). O crescimento da Colômbia é maior que dos outros países latinoamericanos como Chile (4,1%), Brasil (3,3%), Venezuela (2,6%) e México (1,5%).

Há três resultados que acredito importante destacar: o primeiro é o ocorrido no setor agropecuário, o qual apresentou um crescimento de 7,6% em 2013. Este crescimento é o segundo mais alto deste século.

O crescimento da Colômbia é maior que dos outros países latinoamericanos como Chile (4,1%), Brasil (3,3%), Venezuela (2,6%) e México (1,5%).

Só é superado por um crescimento de 8,6% que se apresentou no segundo trimestre de 2002. O crescimento do setor é explicado por um aumento no PIB cafeeiro, que explica 35% da variação do setor agropecuário. Esse resultado é algo surpreendente. Em especial, devido as greves recentes. Esses resultados devem ser estudados com maior detalhe.

O segundo resultado interessante é o ocorrido com a construção. Esse setor apresentou um crescimento do PIB de 6,4% comparado ao segundo trimestre de 2013. É claro que o crescimento da construção desacelerou. Em 2012 o crescimento do setor para o mesmo período foi de 12,1%, e em 2011 foi de 10,5%.

Também é importante destacar o resultado da indústria. O crescimento do PIB desse setor para o segundo semestre de 2013, a respeito do mesmo período de 2012 foi de 1,2%. Esse resultado parece bom, pois rompe com a tendência de desaceleração no crescimento do setor. Por exemplo, para o mesmo período, o crescimento de 2012 foi de 0,1% para 2011 foi de 3,7% e para 2010 de 3,5%.

Julio César Alonso

Ver mais colunas deste autor

Comentários

Capa N° 440